quinta-feira, 18 de abril de 2013

um tanto bem maior



estranha a sensação de voltar sozinha pra casa. a hora da despedida foi estranha. poderia dizer que senti olhares penosos voltados pra mim, mas não. acho que o único olhar que cogitou a possibilidade de sentir pena foi o meu. apenas cogitou. entrei no meu colorado sujo. coloquei o teatro mágico a todo, mas a todo o volume. abri as janelas, me deixei abraçar pelo friozinho gostoso da noite de outono que estava acontecendo lá fora. imaginei o que me esperava no meu destino. me veio à mente a lembrança do meu quarto confortável, do meu pug-amigo, do beijo de mãe da minha mãe. senti felicidade. sorri suspirosa por tudo o que construí e construo. sorri emocionada por tudo o que me permiti viver e por tudo o que aprendi nos triunfos e derrotas.

somos feitos do que sentimos, do que vivemos, do que queremos, do que escolhemos.
e eu quero mais do mundo. e de mim.

não. eu quero muito mais do mundo. e de mim.
quem quiser vir comigo, que me dê a mão.

"eu sinto que sei que sou um tanto bem maior"

Nenhum comentário:

Postar um comentário