sexta-feira, 6 de junho de 2014

quero



quero olhos que respirem vontade de existir junto. de partilhar bons dias e boas noites, de ser cúmplice no cotidiano, no velho e no novo, no amanhã bonito. quero braços que me ninem e me prendam pra coceguear. quero manada de borboleta no estômago sendo alimentada por amor doce. e correspondido. e querido. quero voz ao pé do ouvido com promessas impossíveis já cumpridas. ouvidos com pés que caminhem no interesse do que sou em essência. quero trocar figurinha repetida (troco a mais disputada do álbum por um caminhar de mãos dadas, palma com palma. nada de mindinhos entrelaçados). quero verdade. e mentira pra fazer surpresa no meio do dia. quero clichê, tum-tum de paixão mergulhado num silêncio de amor.

chega de olhos em coma. de braços cruzados. de borboletas desnutridas. de voz murcha e pés nas alturas fugindo do chão lamacento. de mãos levianas. de corações de nitrogênio. de existir inexistindo.


chega.

Nenhum comentário:

Postar um comentário