quinta-feira, 8 de agosto de 2013

prezada anônima



chego no trabalho, abro meu blog. me deparo com alguns comentários de uma pessoa anônima admirando o que escrevo. sinto ainda mais vontade de escrever, mas um sentimento de incapacidade toma conta de mim. “é preguiça”, diz meu pai. “é medo”, digo eu. medo de dar certo. medo. os elogios da anônima me fazem emocionar, preencher o que pelas bandas de cá anda vazio. ao me ler, ela supõe que sofro por um amor, me aconselha vivê-lo de corpo e alma. anônima que me fez emocionar e acreditar que eu realmente escrevo: vivi este amor até o último vestígio. e ele foi estraçalhado. e já que fostes tão coração comigo, deixo de lado meus escrúpulos e limitações e te digo, cá entre nós, que quem estraçalhou esse amor além do infinito que tanto reguei e cuidei tem nome. tem nome e é petiça. cabe na palma da mão e aniquila o universo. o nome da poderosa? droga. te peço, por favor, prezada e já querida anônima, siga me lendo e me querendo bem. e que esse querer bem seja alimentado a cada nova sensação, toque, sentimento, essência, tesão, prazer que tu leres. será apenas sinal do quanto estou bem e recuperando o que perdi por entre essas palavras tão poéticas que descreveram situações tão dolorosas: o meu amor-próprio.

Um comentário:

  1. - Quanto descuido, esqueci de me identificar! rs

    Nada de preguiça ou medo, ok? Vou falar mais uma vez: Você tem futuro!

    Sua página já foi incluída em meus favoritos junto à outros blogs que faço questão de ler sempre que tenho um tempinho!

    Vocês, blogueiros/escritores, não têm ideia de quanta gente vocês inspiram, de quanta gente que fica atrás do PC ansioso por novas postagens, por novos textos... Novas vivências!

    Sucesso, siga em frente!

    Abraço fraterno e um final de semana cheio de inspirações!

    Gabi

    ResponderExcluir