quinta-feira, 8 de agosto de 2013

te matei


acordei enjoada. talvez enjoada de buscar um preenchimento. um frio na barriga. uma dor. qualquer coisa que ocupe o espaço que ele deixou. tive um sonho mórbido, mas importante, significativo. sonhei que eu o havia matado. morte matada mesmo. e quer saber do que mais? matei com as minhas próprias mãos. cheiro forte de sangue. me senti no filme volver, desesperada para me livrar do corpo. desmembrei o corpo. sim, parte por parte. havia sangue, mas não o suficiente dentro do meu ideal, talvez do meu querer mais raivoso. coloquei as partes dele dentro de um saco preto. a cabeça, antes, coloquei numa sacola plástica, pros miolos não correrem o risco de sujarem meu carro. “vou tocar esse saco na porta de algum cemitério.” antes, pensei em abrir a sacola, talvez acariciar os cabelos, fazer uma prece, o último adeus, mas não quis. assim, simplesmente não quis. arrastei o saco preto para dentro do carro e a batida da porta me fez acordar. despertei indiferente. comida e festa pro cachorro. “chegou o teu bolinho”, disse o tio paulo, dono do bar ao lado. adoro essa familiaridade natural. estava nos meus planos comprar pão de queijo e tomar com todynho, mas não consegui negar o carinho dele. tenho estado ainda mais atenta ao que me rodeia, talvez para virar história para contar, talvez para me repreencher comigo mesma composta do todo do mundo. e quanto ao sonho? morreu, morreu, fazer o quê?  e o enjoo? alguma dúvida de que o bolinho curou?

Nenhum comentário:

Postar um comentário