quinta-feira, 24 de março de 2011

desistir


desistir seria o contrário de insistir?
ou seria o antônimo de acreditar?

hoje penso em desistir em nome do que acredito,
hoje penso em desistir como prova de uma insistência forte, uma insistência visceral por algo que acredito.

mas
quando se acredita não se desiste,
quando se insiste, não se desiste – ele me fala com os olhos e deixa escapar um "não desiste da gente" pelos poros, pelas lágrimas que insistem em cair enquanto prometemos um ao outro que não falaremos mais do amanhã, enquanto prometemos um ao outro, mentindo descaradamente, que o nosso amanhã solitário não nos desespera.

recorro ao sagrado michaelis online, afim de tornar estas palavras um pouco universais, já que não consigo escapar desta maldita primeira pessoa, o que torna minha palavra tão pessoal que beira ao insuportável de ser lido por outros:

desistir 
de.sis.tir
(lat desistire) vti e vint 1 Não continuar, não prosseguir (num intento); renunciar: Desisto de o mandar à aula. Descoroçoou um pouco, mas não desistiu. vti 2 Desdizer-se, retratar-se: Desistiu de tudo quanto disse ou escreveu. vti 3 Exonerar-se: Desistiu do emprego. vtd 4 gír Defecar, evacuar: "Apertou a barriga do gambá e o bicho desistiu as dez pratinhas" (Mário de Andrade)

para onde me levará essa evacuação, essa renúncia, esse desdizer o meu coração, esse exonerar um amor, esse defecar (que melhor se traduz por "merda")?

por que penso em desistir?
por estar fraca, exausta, desacreditada.
tá aí: hoje o desistir se mistura no meu acreditar e na minha insistência, mas se encaixa no meu desacreditar.
* tudo bem, papai-pinguim, que tu não segurou a barra e deixou o ovinho do nosso filhote tocar o chão gélido... outra etapa fértil virá, estaremos juntos no passar das estações, faremos amor novamente e geraremos nosso ovinho com a cumplicidade de sempre, a mesma cumplicidade que nos aquece do frio e que nos faz compartilhar a comida... desta vez, tu vai conseguir segurá-lo e eu vou conseguir chegar a tempo para revezar contigo... não pensa que eu te abandonei, só estava buscando alimento para o nosso filhote... vamos, papai-pinguim, não desiste!

(às vezes um tapinha nas costas fala mais do que um discurso "obamórico"...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário